A vida não se remenda, emenda-se.

por José Luís Nunes Martins

As aparências e mentiras com que, por vezes, somos tentados a esconder as feridas abertas das nossas fraquezas são remendos.

Quando algo nos fere, rasga ou estraga, o importante é trabalhar nisso, com tudo o que resta, respeitando sempre a nossa integridade anterior e repondo-a na medida do possível. Sem ilusões e aceitando que todos somos frágeis e que, por isso, temos muitas cicatrizes... resultado de golpes que não conseguimos evitar ou de escaladas de violência que tomaram proporções maiores do que julgávamos.

É essencial que cada um de nós compreenda que a vontade de esquecer, disfarçar ou tapar as suas fraquezas com pedaços de vida que não é a nossa é um erro, enorme.

Nenhuma ferida se cura apenas por ser coberta, por vezes isso é apenas uma forma de a agravar. Emendar não é ocultar o defeito, é curá-lo. Dói, sempre e muito, mas vale a pena. Corrigir é superar-se a fim de ultrapassar o erro, assumindo-o e fazendo o necessário para o reparar em nós e naqueles a quem prejudicámos.

Remendar é misturar pedaços estranhos uns aos outros.

A vida é preciosa, íntegra e autêntica, apesar de todas as cicatrizes que são parte de nós, da nossa história e da nossa felicidade. Somos nós.

Aqueles que não assumem os erros próprios como seus e como parte do seu processo de aperfeiçoamento, de tantos remendos que colocam, chegam a um ponto em que já nem eles mesmos sabem quem são. Não têm emenda... são meros remendos em cima de remendos, já se acabaram... são apenas trapos sem história.

 

(ilustração de Carlos Ribeiro)

Quer receber um texto de José Luís Nunes Martins todas as semanas? Subscreva a nossa newsletter, aqui

Ver todas as novidades