Ser solteiro e católico: como podemos ser livres? (7/7)

por António Pimenta de Brito (Julho de 2018)


Gostaria de vos falar em liberdade. É muito importante, mesmo que procuremos aconselhamento na oração, na bíblia, a amigos, família, a algum padre ou pessoa com critério, que sejamos sinceros connosco mesmos e com Deus. Não são os outros que decidirão por ti. Procura, vive tudo ao máximo, sim. Mas és tu que decides no fim, sem pressões, com ponderação e discernimento, diante de Deus.

Daqui decorre de que é muito importante a partilha de fé e valores no casal. Como a fé é algo de tão identitário, se a outras barreiras de personalidade, família, gostos, adicionarmos a da fé, mais complicado se torna a relação. É verdade que há muitos casamentos mistos muito bonitos, mas se houver a partilha de algo tão importante para ambos, as falhas de comunicação e assimetrias no que toca a assuntos tão importantes como a visão do sofrimento, a educação dos filhos, o perdão, a fidelidade, tudo se torna mais fácil.

Podia estar aqui com conselhos exaustivos sobre encontros e qual a pessoa certa, mas isso é algo que não vou fazer. É importante, de facto, crescer na relação com os outros, com o sexo oposto também, mas queria apenas focar a questão da importância da Fé no casamento. Pois o mesmo é um caminho com muitos desafios. Isso não quer dizer que não se possa manter o romantismo e ultrapassar os obstáculos, como a rotina, a conciliação do trabalho com a família, as crises dos filhos, o desemprego, a infertilidade, os conflitos familiares, tudo isso se ultrapassa com preparação pessoal e espiritual.

Por isso, repito, que não basta rezar. Para isso, era questão de ir ao “supermercado” da oração buscar as mezinhas e esperava-se. Nem tinha piada! Deus quer que sejamos parte interessada da nossa vida. E por isso, é bom viver o que há para viver. O que significa isto? Nem sempre sabemos por onde é o caminho, mas, como disse, “foco no céu e pés assentes na terra”, como dizia São Josemaría Escrivá, tudo nos conduzirá para o desfecho e espanto permanente que é a vida, um milagre.

 

Ser solteiro e católico: como aproveitar os entretantos? (6/7) 

Ser solteiro e católico: o que aconselhamos? (5/7)

Ser solteiro e católico: como podemos ajudar? (4/7)

Ser solteiro e católico: por onde andámos? (3/7)

Ser solteiro e católico: como foi connosco? (2/7)

Ser solteiro e católico: como tudo começou? (1/7)

Ver todas as novidades