Os problemas de ontem não são importantes

por José Luís Nunes Martins

Os erros do nosso passado não devem ser problemas hoje, pois já nada podemos fazer. O erro de ontem resultou da incapacidade de o termos previsto e evitado em todo o tempo que o precedeu. Depois já nada há a fazer. O que é imbecil é pensar que os erros são inevitáveis.

Pensar é encontrar o ponto de equilíbrio que permite distinguir o verdadeiro do falso, o perfeito do imperfeito, os juízos bem fundados das justificações ilusórias.

Vivemos na cultura do provisório, do relativo, do descartável. Importa, talvez hoje mais do que antes, ter a coragem de ver as coisas como elas são.

Só quem escolhe bem o seu ponto de equilíbrio é estável. Não varia, nem cede às tentações do fácil e do prazer imediato. Só se mantém no seu lugar quem procura de forma constante o seu equilíbrio.  

Quando descubro um erro em mim devo ter a ousadia de o reconhecer e emendar logo, em vez de o ignorar, disfarçar, justificar ou, pior de tudo, persistir nele, achando que faz parte de mim.

O que é importante é evitar os erros de hoje, prevendo os problemas de amanhã.

A nossa razão deve centrar-se no que podemos e devemos fazer em relação ao futuro. Passar a vida a olhar para trás não faz sentido. Pode até ser um modo de compreender a vida, mas uma vida sem futuro. Só se vive para diante.

 

 

(ilustração de Carlos Ribeiro)

Quer receber um texto de José Luís Nunes Martins todas as semanas? Subscreva a nossa newsletter, aqui

Ver todas as novidades