As Obras e os Mistérios do Amor

por José Luís Nunes Martins 

Quem ama não sente o amor no seu coração. Vive no coração do amor. O amor que nos oferece os sonhos mais belos e nos faz voar, é o mesmo que nos crava os espinhos mais duros na carne e se faz mar nas nossas lágrimas.

O amor faz o que quer, onde e quando alguém o aceita. Não tem outras mãos ou olhos senão os nossos. A força do amor é aquela de que nós formos capazes. Por isso, amar é, antes de tudo, aceitar.

Há quem entregue a sua vida por amor. Quem se abandone a si mesmo, deixando para trás aquilo que outros julgam ser o seu maior tesouro… A vida é para amar, quem não ama, apenas sobrevive.

Há quem morra por amor. Mas esta vida é apenas um pedaço de outra, maior, que só é vivida pelos que tiverem a coragem imprudente de ser luz e calor na vida de alguém, aceitando-o como é... e como quer ser. Sem o julgar. Respeitando sempre os seus espaços e os seus tempos, o seu passado e o seu futuro. Amar é corrigir e ajudar quem se ama a ser melhor, mas não o obrigando aos nossos pensamentos e sentimentos, às nossas palavras e aos nossos silêncios. Amar o outro é ser um meio para a sua verdadeira felicidade, não é fazer dele um utensílio do nosso egoísmo.

No amor não há monotonia. Ou cresce para o exterior, expandindo-se e criando novos mundos; ou para o interior, alargando os horizontes do sentir e do pensar até ao infinito.

Por vezes, o amor obriga-nos a ser duros, firmes e objetivos, cuidando de forma eficaz do que não pode ser feito de forma amável. Dói a todos, mas o caminho certo só raras vezes é o mais agradável. O mal deve ser combatido. Sem contemplações. Grande ou pequeno. Velho ou recém-nascido. Claro que é melhor que seja cortado pela raiz e logo no início. Se tal não for possível, então que o seja assim que houver certeza e força. Mas sem perdas de tempo.

As obras do amor são as decisões e os gestos de quem ama. São sempre pessoais. Não há amor em abstrato. É sempre algo que vai de um coração concreto a outro, ainda que nada venha de lá em troca.

Quando se busca a troca de sensualidade sem amor, o que se encontra são pedaços de tempo cheios de prazer para os sentidos, mas a que se seguem tempos de solidão ainda mais funda que no interior de todos e de cada um vai forçando a consciência.

Ao contrário dos que amam, os egoístas exigem tudo do outro. Mas claro, chamam-lhe sempre amor. Não se dão conta de que se vão destruindo a si mesmos.

O amor faz-me ser maior do que eu!

O amor só é um sonho no início. Depois vêm os sofrimentos… que se devem enfrentar na certeza de que só uma vida que ruma ao bem – por entre os males – é uma vida com valor.

Quase ninguém chega ao topo das montanhas da vida, não porque tal seja impossível, mas porque a cobardia e o egoísmo encontram sempre outros caminhos mais agradáveis, a descer.

Importa saber que a nossa vida é começar e recomeçar, começar e recomeçar… vezes sem conta. As derrotas e os fracassos são parte do duro caminho da vitória.

Um vencedor é aquele que vence a dor. O que triunfa sobre o pior de si. O que se dá a si mesmo. O que despedaça o seu egoísmo, numa luta em que quase sempre há espadas a trespassar corações.

O amor embala-nos numa paz celestial, mas também nos tira o sono quando nos sacode, mói e amassa até ficarmos maleáveis a fim de podermos, no seu fogo, crescer e ser pão para o outro.

Amar é ser uma oração humilde que agradece, pede perdão e suplica por mais ajuda.

O amor é uma coroa, mas é também uma renúncia e um martírio. Todas as coroas têm espinhos por dentro, todas, mesmo as de glória.

Se são grandes as obras do amor, maiores ainda são os seus mistérios…

 

 

(ilustração de Carlos Ribeiro)

Quer receber um texto de José Luís Nunes Martins todas as semanas? Subscreva a nossa newsletter, aqui

Ver todas as novidades