Viagens de um Solteiro: 68 no Estoril

por Marta Pimenta de Brito


Era a primeira vez que ia a uma grande Conferência Americana de Saúde Pública. “Uau, muito grande”. 12.000 participantes. Tive uma longa viagem, de Lisboa a Boston, de Boston a Denver.

Além da conferência, tentei conhecer uma amiga de uma amiga que era escritora de viagens. Queria entender como começou a sua carreira e como era a sua vida. Encontrámo-nos num café, fomos a um famoso e enorme palco incrível entre as rochas e a natureza, onde os U2 e outros já deram concertos. Que lugar maravilhoso e pacífico.

Então começou a ficar frio e escuro e decidimos ir à cidade de Denver para jantar. Fomos a uma cervejaria onde eu podia provar uma cerveja de gengibre maravilhosa e comer uma calórica sopa de roquefort. Acho que até agora foi a melhor cerveja que já experimentei.

A conversa continuou e ela estava a explicar-me como Denver era famosa pela sua música de jazz. Tinha que ir por um curto período de tempo e ouvir. A conferência na manhã seguinte, o voo de volta a Boston na próxima tarde, mas decidi ir. Há momentos na vida que não se pode dizer não. Nunca se sabe se se vai voltar. E como li algures uma vez no Canadá, "A vida não é medida pelo número de respirações, mas pelos momentos em que respiras".

Caminhámos pela rua e entrámos no bar mais antigo. Estava vazio, mas os senhores estavam prontos para começar. Notei por um momento que era a única mulher ali. Senti-me bastante desconfortável e o cantor deve ter notado as minhas emoções. Perguntou do palco se eu queria cantar. Eu disse que não, a menos que eu cantasse fado. E eis o ponto.

Começou a perguntar se eu era de Portugal. Eu disse sim. Então perguntou "É do Estoril?" E eu disse que sim. Bem, na verdade, estava a viver naquela altura no Estoril, sou originalmente do Porto. Por segundos, perguntei-me, "Mas tenho escrito na testa que venho do Estoril?". Ele pode ter visto a minha identificação da conferência. Perguntei-lhe "Como sabe?". Naquele momento, todos estavam a olhar para mim. Ele começou a dizer algumas palavras em português, ainda do palco.

Depois continuou: "Sabe que eu costumava cantar no Estoril, no casino. Estive lá em 1968 por três meses". Fiquei de boca aberta. Quão pequeno é o mundo. Então eles começaram o concerto, o bar começou a ficar cheio, muitas outras mulheres entraram e eu gostei muito.

No intervalo, ele veio e sentou-se na nossa mesa. Contou sobre toda a sua vida, conheceu a sua esposa, casou-se, teve dois filhos, teve que trabalhar para criá-los, mas perdeu Portugal. E eu disse-lhe: "Dê-me o seu cartão de visita, que quando eu estiver de volta a casa, irei ao casino e contarei a sua história. Tenho a certeza de que eles gostariam de saber o quanto sente falta desse tempo e o quão importante foi na sua vida."

No dia seguinte, sentei-me no avião a olhar para aquele cartão de visita e pensei "que coincidência e como é bom que alguém do palco conta sem medos o quão bonito e lindo é o meu país e o seu povo!".

 

Se gosta de viajar veja aqui as nossas sugestões para solteiros e não só.

Ver todas as novidades