O casamento tem a ver com amor e não com dever, caro Henrique Raposo

por António Pimenta de Brito

O colunista e historiador Henrique Raposo (HR) é alguém que sigo com muita atenção desde há algum tempo, pois consegue conjugar uma visão conservadora, a qual partilho, com um certo “mundo”, isto é, não é um rato de buraco e vive imbuído da cultura contemporânea, não se deixando levar pelas suas ilusões, mas confesso que fiquei desiludido com o artigo que escreveu, intitulado, “O casamento não traz felicidade”.

Se compreendi bem, em resumo, o que defende é que o casamento não é para se ser feliz, é essencialmente para ser dedicado aos outros e esta tarefa já é suficientemente penosa. Os que veem esta instituição como viagem de amor são “adolescentes” e imaturos pois não percebem que dos filhos e da família vêm muitas dificuldades e não prazeres. A tese de HR: felicidade é vitória e não prazer. Prazer é “ver um filme, ler um livro, estar na praia, beber um vinho”. Mas pergunto, porque é que estar com os filhos não pode dar prazer?

Artigo completo aqui

Ver todas as novidades