O Valor de Tudo e a Importância do Nada

por José Luís Nunes Martins 

Uma das melhores formas de avaliar as pessoas e as coisas é esperar que com o passar do tempo a sua importância se relativize e revele. Demasiado perto, tudo tende a parecer absoluto e definitivo. Para compreender cada momento da vida, é preciso que ele passe, e que se junte a outros até que chegue o momento certo de ver, com toda a clareza, o que se passou.

O segredo do discernimento é afinal uma coisa tão simples quanto exigente e dolorosa: paciência.

Se só se compreende a vida quando olhamos para trás, a verdade é que, para a viver, o sentido é o oposto. Para diante. Assim, uma escolha determinante das nossas vidas passa por saber onde colocamos os nossos olhos e o nosso coração: no passado em busca de compreensão e aceitação; ou, no futuro em busca de mais vida.

O nosso caminho passa por terras desconhecidas e mares longínquos. A nossa vida é um acabar que nunca acaba. Como não há um fim definitivo, renascemos de forma constante em muitos lugares e tempos, e é sempre assim, por mais cansados e angustiados que estejamos... porque a nossa vida quer viver mais do que nós mesmos!

O vencedor sai muitas vezes derrotado. Uma das alturas em que o coração não deve fraquejar é quando está rodeado de inimigos. A solidão essencial de cada um de nós é tão profunda que assusta os que nunca se dão conta da imensidão do mundo dentro de si.

Eu sou alguém que busca um outro para ser com ele, a partir dele e... para ele.

Nos tempos de abandono há que ter a coragem da esperança. Aquela certeza de que o nosso caminho passa por vales de trevas, frio e dor... mas a nossa missão não é nem ficar por ali, nem perder a nossa fé no amor. As nossas obras devem ser a resposta ao sofrimento, porque são as obras que confirmam a missão.

Fazer o que devo, estando inteiro no que faço!

Quem não quer mesmo vencer, não pode esperar vitórias.

Não. A nossa existência não é só isto. É mais do que isto. É muito mais do que nós.

Nos sucessos é bom lembrar os falhanços... tudo se torna mais claro. Os sucessos e os fracassos.

Há uma vida imensa e intensa dentro de mim. A mesma vida que anima as árvores, que florescem e frutificam nas primaveras... e que, soprando no vento, as despe e livra dos seus ramos mortos... a mesma força que levanta as ondas do mar e que, das rochas, faz areia. A mesma coragem que nasce e ilumina o coração invencível de quem aprende a amar.

Devemos ousar ser mais. Desenhar uma cruz no infinito e rumar para lá...

Enquanto não chegar o tempo de sermos nós a folha que cai...

Eu sou também a minha herança. O ser daqueles que me amaram e que aceitei.

Cada um de nós não é apenas uma folha, um ramo ou uma árvore... mas uma floresta, um mundo e um universo.

Como não querer dar tudo pela verdadeira felicidade? Buscar no passado o sentido da vida é como buscar nos sonhos razões de saudade.

À noite, as luzes são mais suaves e verdadeiras. O céu é mais belo quando se podem ver todas as estrelas cintilantes que a nossa curta vista alcança. O luar pode ser ainda mais puro do que a própria luz do sol.

O amor chama. Ao longe, alguém canta. Ao longe. Há que esperar. Lutar. Com fé. Aquela certeza de que não sou eu. Somos nós.

 

 

(ilustração de Carlos Ribeiro)

Quer receber um texto de José Luís Nunes Martins todas as semanas? Subscreva a nossa newsletter, aqui

Ver todas as novidades